BLOG

Fique por dentro das novidades

voltar para o blog

Internet das Coisas: da ficção de “Black Mirror” para a realidade do Varejo

Por Equipe FX em 23.02.2017

Share on Facebook15Share on Google+1Share on LinkedIn14Tweet about this on Twitter

Sucesso de audiência e crítica, a série “Black Mirror”, do Netflix, tem chamado a atenção por abordar a influência da tecnologia na vida das pessoas. Cada episódio traz uma história com ambientação e personagens inéditos, interligados apenas por um tema: a tecnologia. A produção mostra o impacto dos avanços tecnológicos em um futuro distópico, apresentado por meio de uma narrativa não linear.

Um dos conceitos apresentados é a Internet das Coisas (IoT), que consiste em conectar à Internet dispositivos eletrônicos utilizados no dia-a-dia, como aparelhos eletrodomésticos, dispositivos móveis, máquinas industriais, meios de transporte, entre outros. Segundo estimativa do Gartner, o mercado global já conta atualmente com mais de 8 bilhões de aparelhos IoT ativos e conectados, e este número pode chegar a 50 bilhões até 2020, de acordo com a Frost&Sullivan. A IoT será parte do futuro, não só para a condução de empresas, mas também em nossas vidas.

Experiências diferenciadas fidelizam o cliente

No mundo que “Black Mirror” apresenta em Nosedive, primeiro episódio da terceira temporada, as pessoas são avaliadas a cada serviço prestado e consumido, a cada interação e foto postada. O dia a dia é uma avaliação gamificada constante. Hoje em dia muita coisa já funciona assim. Avaliações positivas sobre um serviço geram credibilidade. No varejo, uma loja que oferece uma experiência de compra diferenciada fideliza seus clientes.

No capítulo é apresentada uma espécie de dashboard com todas as amizades de um indivíduo na rede social, exibindo desde os amigos próximos até os distantes. Essa tecnologia recolhe dados das mídias sociais do perfil para ajudá-lo a aperfeiçoar sua nota. Hoje, dispositivos IoT voltados para o varejo já operam de forma semelhante, usando os dados fornecidos pelos smartphones dos clientes. Esses sensores têm a capacidade de monitorar e identificar consumidores, viabilizando ao gestor do estabelecimento o de uma rede de lojas o acesso a indicadores como a quantidade de visitas no estabelecimento, qual o tempo médio de permanência, com qual frequência ele retorna e qual a taxa de conversão. É como emular um sistema de Web Analytics, mas dessa vez para o varejo off-line.

Em uma época de instabilidade econômica e com a concorrência cada vez mais forte, ter inteligência na gestão alavanca o crescimento dos negócios. O conceito de IoT permite extrair com mais facilidade as análises das operações, e assim gerar relatórios que indiquem a eficiência do estabelecimento.
O mercado tem aderido a muitas ações que visam a engajar os consumidores com suas marcas favoritas, e neste contexto torna-se importante usar a tecnologia para ter um relacionamento mais próximo do cliente, como a maioria dos e-commerces já faz. Em futuro não tão distante, assim como na série, o varejo físico poderá desfrutar de um banco de dados completo, com todas as informações de seus clientes. Ganham ambos: o consumidor com uma experiência aprimorada, e o setor com a possibilidade de aumentar seu faturamento.

Share on Facebook15Share on Google+1Share on LinkedIn14Tweet about this on Twitter
Gostou desse conteúdo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *