Monitoramento de visitantes ou contagem de fluxo? Entenda as principais diferenças

Por Marcelo Tavares em 16.11.2015 às 16h57

Compartilhe

monitoramento de fluxoO avanço do e-commerce fez muitos empresários de lojas físicas buscarem tecnologias com métricas capazes de ajudar também na gestão. Uma destas soluções são tecnologias de visão computacional que permitem acompanhar o movimento dentro do estabelecimento. Entretanto, não basta  contar a quantidade de clientes que circula no local. Para obter informações precisas e inteligentes, que realmente tragam insights para o lojista, é preciso monitorar o trajeto do consumidor. Confira as principais diferenças entre contagem e monitoramento de fluxo de visitantes no varejo:

Sensorialização do comércio x atividade passiva

Conceito que cresceu nos últimos anos, a sensorialização do comércio considera o varejo físico como um importante ponto de experiência – o que vai ao encontro do novo perfil do consumidor. Por meio do monitoramento de fluxo dos visitantes, é possível criar relatórios específicos, que mostram o envolvimento da pessoa com o estabelecimento. Já a contagem simples, que traz apenas a quantidade de pessoas que visitaram a loja, reflete a visão do freguês como agente passivo.

Omnichannel x isolamento

Atualmente, qualquer loja, seja física ou virtual, precisa pensar em ações omnichannel e integrar todos os canais de atuação da empresa. Com o acompanhamento contínuo do consumidor, é possível cruzar informações off-line e online e elaborar uma campanha assertiva. O cálculo total de visitantes não oferece outras análises e por isso não une as ações estratégicas da empresa.

Tempo real x atraso

O monitoramento de fluxo consegue extrair e enviar dados praticamente em tempo real para o lojista, permitindo a tomada de decisões assim que ele  identifica uma oportunidade de negócio. Já a contagem, muitas vezes feita manualmente pelo próprio vendedor ou baseada no número de checkouts do dia, além de passível de erro pode chegar tardiamente e não consegue interferir diretamente na otimização das vendas.

Estratégia x “achismo”

Com os diversos relatórios provenientes do monitoramento de fluxo dos visitantes, o varejista conhece mais profundamente seu público e seus hábitos de compra, reduzindo as tentativas erradas que muitas vezes guiam o planejamento de gestão de muitos comércios no ambiente off-line.

* Marcelo Tavares é CEO da FX Flow Intelligence, empresa que oferece inteligência para o varejo por meio do monitoramento de fluxo.

Deixe seu comentário
*
*

© 2019 FX - Retail Analytics - Todos os direitos reservados.