7 Lições que o Título do Leicester City Trazem para o Empreendedor

Por Equipe FX em 10.05.2016 às 16h51

Compartilhe

 

Há 38 anos – trin-ta e oi-to a-nos – uma equipe inédita não conquistava a Premier League. A última vez que aconteceu foi lá em 1978, quando o Nottingham Forest levou o caneco com uma vantagem de 7 pontos para o vice Liverpool – o então campeão europeu.

Lá se vão quase quatro décadas desde o último campeão inédito e 132 anos na história do Leicester City, mas no última dia 2 de maio a modesta equipe sagrou-se campeã da elite inglesa. Quarta menor folha salarial dentre os 20 times da primeira divisão, o Leicester venceu de forma dominante a temporada 2015/2016, após um quase rebaixamento no ano anterior.

Mas o título com 77 pontos e duas rodadas de antecedência não foi uma mera obra do destino. Por trás da conquista há muita estratégia e planejamento por parte do treinador Claudio Ranieri e o do dono do clube Vichai Srivaddhanaprabha, que podem ser facilmente redirecionados para o mundo dos negócios..

Confira sete lições que a aposta de 5000/1 no começo da temporada e campeã ao fim dela traz para todos os empreendedores:

1 – Não jogue tudo para o ar e comece a simplesmente reformular 

Na temporada 2014/2015 o Leicester lutou até as últimas rodadas para escapar do rebaixamento. Escapou, mas talvez se seguisse a lógica do futebol brasileiro, estar brigando para não cair já seria motivo suficiente para uma reformulação quase que integral de elenco.

Entretanto esse não foi final da linha para aquele grupo. Praticamente todos os jogadores foram mantidos e poucos foram contratados. Daqueles que permaneceram, inclusive, está o meia argelino Riyad Mahrez, que ganhou o prêmio de melhor jogador do campeonato neste ano.

Para Fabrício Costa, diretor de novos negócios da Equals, que chegou à beira da falência em 2011 e encerrou 2015 com faturamento de R$ 5 milhões, a melhor solução está em focar na melhoria dos resultados.

“Não mudamos o modelo de negócio, apenas mantivemos a fé que tudo daria certo e com muito trabalho e dedicação estamos chegando lá. Eu diria que o fato de não estarem prestando atenção em nós, ajudou a voar sob o radar e focar no desenvolvimento dos negócios”, comenta.

2 – Mudar o mindset é preciso 

Se não houve grandes alterações no elenco, o comando técnico foi modificado. Chegou o italiano Claudio Ranieri, que vinha de um trabalho aquém do esperado com a seleção da Grécia. Após não atingir os resultados esperados, o técnico se renovou e fez um estágio com o técnico alemão Jürgen Klopp, conhecido por suas conquistas pelo Borussia Dortmund. Bem, o resto da história a gente conhece.

“O líder, por mais experiente que seja, precisa sempre estar antenado no mercado em busca de novas lições. O feeling é um fator importantíssimo, mas estar aberto para novos pensamentos e mudar o mindset quando necessário é fator primordial para o sucesso de qualquer negócio. Se o gestor não tiver a humildade de reconhecer essa necessidade, não adianta ter um bom produto e uma equipe talentosa, que todo o negócio estará à deriva”, explica Walter Sabini Jr., CEO da HiPartners Capital&Work, grupo de investidores focado em empresas inovadoras, e presidente da FX Flow Intelligence.

3 – Há espaço também para quem supra suas necessidades pontuais 

É preciso também uma injeção de ânimo no meio de toda sua construção a longo prazo. Esses  são os chamados reforços pontuais. Com o Leicester isso aconteceu nas contratações do atacante japonês Shinji Okazaki e do volante francês N’Golo Kanté, dois dos grandes destaques da equipe campeã.

“Toda empresa deve ser fortificada com oportunidades no mercado. Seja na contratação de bons profissionais ou na aquisição de outras marcas para complementar seu portfólio. Investir de forma pontual e assertiva pode ser determinante para o sucesso longínquo”, comenta Marcelo Forlani, sócio-fundador e diretor de Marketing do Grupo Omelete.

4 – Tenha metas sóbrias e atingíveis 

O objetivo do Leicester City na temporada era mais realista do que o dos gigantes favoritos: se manter na elite do futebol inglês. Mas foi oferecido algo a mais para injetar ânimos naquela equipe durante o campeonato: o técnico Cláudio Ranieiri receberia um bônus exponencial a cada posição acima da zona de rebaixamento que o time ficasse.

“Muitas empresas acabam mirando metas irreais e vivem a frustração ao não alcançar o objetivo. Estes objetivos devem ser possíveis, mas bem difíceis de se alcançar e muito importante, serem possíveis de mensurar todo o percurso até alcançar. Metas costumam ser imprevisíveis, o mais importante é mapear tudo o que se pode fazer para atingir, transformar em ações menores quantificáveis, e trabalhar exaustivamente para realizar todas as ações. Foco total em ações que possam ser realizadas não gastando tempo com fatores externos que não se pode controlar.”, comenta Rafael Cichini, CEO da Just Digital.

A empresa é uma das referências nacionais em métodos Ágeis e novas práticas de gestão, que prega dentre outras técnica “a resposta às mudanças acima de seguir um plano”.

5 – Tire sua metodologia do senso comum 

O Leicester é uma equipe que possui pouca posse de bola, explora os lançamentos e as bolas longas, recorre às rebatidas e aos chutões. Muito contrário do que pensamos quando observamos as principais equipes do mundo, que hoje valorizam a troca de passes e domínio de posse de bola em campo. A metodologia do time inglês, embora simples, vai na contra maré do que todo mundo está se preparando para defender. O atacante Jamie Vardy, artilheiro do campeonato com 22 gols, não treina finalização.

“É preciso pensar e agir diferente algumas vezes. Não é porque algo dá certo para um grupo, que deve se tornar uma verdade absoluta. O jeito de jogar do Barcelona encanta, mas pode não servir para outros times com características e competências distintas. Não há uma forma universal de fazer as coisas. Por isso, a metodologia a ser aplicada é aquela que funciona para você”, explica André Wilson, sócio-fundador da VP Concursos, empresa especializada em consultoria e coaching para concurso público.

6 – Concorrência gera eficiência e inovação. Não tenha medo dos peixes grandes 

O Leicester sagrou-se campeão e colocou no currículo vitórias históricas sobre Manchester City, Liverpool e Chelsea. Mais do que isso, os enfrentou de igual para igual e mostrou que jogar bola pode ser um caminho para qualquer um.

“Trazer ao mercado conceitos novos quase sempre significa esbarrar em marcas grandes e já estabelecidas naquele nicho. Por exemplo, nos sistemas de Economia Colaborativa, como Uber e Airbnb, só deram certo porque houve muita determinação em ofertar algo diferente ao usuário”, explica João Paulo Camargo, CEO e Cofundador do Eu Entrego, um aplicativo que conecta pessoas e empresas à comunidade de entregadores independentes.

7 – Nunca perca a concentração 

O Leicester assumiu a liderança em janeiro e desde então não saiu mais. Rodada após rodada a imprensa e a torcida se empolgavam com a fantasia se tornando realidade. Mas em momento algum jogadores e treinador se deixaram levar. O foco foi mantido até o título ser conquistado.

“O empreendedor nunca se deve deixar levar pelo momento. Tanto em altas quanto nas baixas da crise, ele deve ter o foco principal no negócio e nos objetivos traçados. Desviar a atenção disso, mesmo que seja para comemorar algo iminente, pode ser precipitado e acarretar um desvio do planejamento”, comenta Luan Gabellini, sócio-fundador da Betalabs, empresa especializada no desenvolvimento de sistemas de gestão empresarial, e-commerce e softwares sob medida em cloud computing, que espera crescer 75% em 2016.

© 2019 FX - Retail Analytics - Todos os direitos reservados.