Drone que entrega compras, reconhecimento facial e sensor de aglomeração: tecnologias ganham destaque durante a pandemia

Por Equipe FX em 11.11.2020 às 18h34

Compartilhe

Empresas que oferecem soluções tecnológicas para os desafios que surgem com a pandemia do coronavírus estão se destacando no mercado.

Um drone que funciona como robô e entrega compras, pagamento por reconhecimento facial e um sensor que avisa shoppings e lojistas quando os locais estão cheios são algumas das ideias que têm feito sucesso.

Robô entregador

Três empreendedores do Rio de Janeiro se inspiraram nas máquinas de ficção científica para criar drones terrestres que fazem entregas de compras dentro de condomínios.

O aparelho é resultado de dois anos de pesquisa e teve investimento de R$ 1,2 milhão. O uso é indicado para condomínios em que a portaria esteja, pelo menos, a 150 metros de distância da casa do morador.

O objetivo da criação é oferecer comodidade para esses moradores, mas a pandemia aumentou a procura pelo serviço.

Pagamento com distanciamento

Dois empresários de Florianópolis criaram uma solução perfeita para tempos de isolamento social: um aplicativo para pagamento por reconhecimento facial, em que o cliente não precisar encostar em nada.

Ele foi desenvolvido para acabar com a demora e as filas nos caixas, mas a procura pelo serviço aumentou cerca de 20 vezes com a pandemia. A startup recebeu um investimento de R$ 3 milhões para expandir as operações.

O consumidor baixa o app, faz o cadastro e escolhe um meio de pagamento. Depois, basta ir a qualquer estabelecimento que tenha o dispositivo instalado e realizar a compra.

Sem aglomeração

Uma startup de São Paulo criou um sistema que avisa automaticamente donos da lojas e shoppings quando os locais estão mais cheios do que deveriam. O serviço ajuda empresários a evitar aglomerações com a reabertura do comércio durante a pandemia.

Atualmente, 250 estabelecimentos espalhados pelo país já usam este controle. “A câmera pelo fluxo consegue dizer: tem tantas pessoas no seu estabelecimento e, caso esse limite seja extrapolado, o gerente da loja recebe um SMS e instantaneamente pode pedir que o acesso seja pausado ou que as pessoas aguardem até que o fluxo seja regularizado”, explica Flávia Pini, dona da startup.

Matéria publicada em: Pequenas Empresas & Grandes Negócios

© 2020 FX - Data Intelligence- Todos os direitos reservados.