Estratégias para o varejo físico

Por Equipe FX em 12.01.2016 às 17h14

Compartilhe

(*) Por Marcelo Tavares

Em uma época de instabilidade econômica e com a concorrência cada vez mais forte, ter inteligência na gestão alavanca o crescimento dos negócios. Entretanto, se o comércio eletrônico consegue extrair com mais facilidade as análises das operações, o varejo físico precisa se desdobrar para buscar relatórios que indiquem a eficiência do estabelecimento. Agora, alguns recursos o auxiliam neste processo.

O avanço do e-commerce fez muitos empresários de lojas físicas buscarem tecnologias com métricas capazes de ajudar também na gestão. Uma dessas soluções são tecnologias de visão computacional que permitem acompanhar o movimento dentro do estabelecimento. Entretanto, não basta contar a quantidade de clientes que circula no local. Para obter informações precisas e inteligentes, que realmente tragam insights para o lojista, é preciso monitorar o trajeto do consumidor.

Para utilizar a inteligência presente em estratégias que gerem resultados para o varejo físico, é preciso observar alguns detalhes. São eles:

Monitoramento dos clientes

Acompanhar os passos dos consumidores dentro e fora da loja traz insights importantes para os empresários, pois possibilita análises completas sobre pontos como atratividade da vitrine, índices de conversão e indicação de locais mais “vendáveis” do estabelecimento.

Pesquisa de opinião

Perguntar para o próprio cliente qual é a sua percepção sobre a empresa ainda é um dos meios mais eficazes para identificar o comportamento da pessoa e conhecer o público-alvo da companhia.

Análise dos vendedores

É possível testar e avaliar o desempenho da equipe de vendas com serviços de cliente oculto, por exemplo. Assim, o lojista consegue verificar a qualidade do atendimento ao consumidor e quais medidas podem ser tomadas para buscar um aumento nas vendas. Além disso, monitorar o fluxo para saber o nível de conversão de vendas de cada vendedor é extremamente relevante para avaliar a performance individual de cada profissional e da loia como um todo.

Cronograma de ações

Por fim, a criação de um planejamento estratégico facilita a compreensão ao longo do tempo das áreas de evolução do varejo e onde é preciso investir para ter uma melhor gestão. Ter integração com sistemas de CRM, por exemplo, que apresentem diariamente dados sobre aniversário dos clientes, tempo médio para novas compras, ticket médio gasto em cada cupom entre outras informações podem incrementar ainda mais o relacionamento e, consequentemente, a receita do varejista.

Com os diversos relatórios resultantes dessas estratégias, o varejista conhece mais profundamente seu público e seus hábitos de compra, reduzindo as tentativas erradas que muitas vezes guiam o planejamento de gestão de muitos comércios no ambiente off-line. A inteligência passa a ser utilizada a seu favor.

(*) Marcelo Tavares é CEO da FX Flow Intelligence

© 2019 FX - Retail Analytics - Todos os direitos reservados.